Grandes Figurinistas: Jenny Beavan

Por Rafaella Britto


Na cerimônia do Oscar 2016, a roupa de Jenny Beavan disse mais do que sua estatueta: vencedora do Oscar de Melhor Figurino por “Mad Max: Estrada da Fúria”, Beavan contrariou o dress code do tapete vermelho, exibindo um look anárquico total black em estilo motociclista, composto por lenço, camisa, jaqueta de couro sintético, calça, botas sem salto e cabelos soltos e despojados. A escolha de Beavan incomodou a mídia conservadora, e reascendeu o debate em torno dos conceitos de moda, estilo e “adequação”: “Eu não uso vestidos e saltos”, disse a estilista ao Daily Mail, sobre as críticas a sua maneira de vestir. “Eu simplesmente não posso, tenho problemas nas costas. Eu ficaria ridícula em um vestido e isso foi uma homenagem a Mad Max. Estou me sentindo confortável e, até onde percebo, estou arrumada!” Ao dispensar o glamour da alta-costura exigido pelo red carpet, Jenny Beavan ensinou que estilo é sentir-se bem consigo mesmo, e espera, assim, incentivar outras mulheres. “A única coisa que eu quero é que minha atitude tenha um efeito positivo sobre a maneira como as mulheres se sentem a respeito delas mesmas. Você não precisa parecer uma supermodelo para ter sucesso. As pessoas não têm que te aplaudir; elas não têm que gostar do seu trabalho”, acrescentou. E há muito que devemos aprender com ela.

Jenny Beavan recebe de Cate Blanchett a estatueta de Melhor Figurino por "Mad Max: Estrada da Fúria" (Fotomontagem/Reprodução)

Nascida em Londres, em 1950, Jenny Beavan é a mais velha das duas filhas do casal de músicos eruditos Molly (falecida em 1964) e Peter (falecido em 1996). “Meus pais incutiram em mim um fantástico senso de ética no trabalho”, disse a britânica ao London Evening Standard. Após concluir o colegial, Beavan ingressou no curso de figurinismo da London’s Central School of Art.
Em 1978, passou a trabalhar na cenografia de peças teatrais londrinas. No mesmo ano, foi convidada por uma amiga a auxiliar na criação do guarda-roupa da atriz Peggy Aschcroft para o filme televisivo “Hullabaloo Over Georgie of Bonnie’s Pictures”, produzido pela Merchant Ivory Productions. Aschcroft levou Beavan para a Índia (onde a produção foi filmada). Seu trabalho não foi remunerado, porém marcou o início de sua extensa e bem-sucedida carreira em colaboração com a Merchant Ivory. “Hoje as pessoas comparam outros filmes aos que temos feito”, disse o diretor Ismail Merchant à People, “e esse é um grande crédito para Jenny”.
A partir de então, Jenny foi solicitada para trabalhar junto às maiores produções teatrais e cinematográficas. Em parceria com John Bright, figurinista e proprietário da empresa de aluguel de figurinos Crosprop, trabalhou em doze filmes, dos quais seis foram indicados ao Oscar de Melhor Figurino. Beavan declarou ao Seattle Times que John Bright ensinou-a “a história e a política das roupas.” Em quase quatro décadas de carreira, Beavan recebeu dez indicações ao Oscar, tendo vencido duas vezes (a primeira em 1987 por “A Room With a View”, prêmio dividido com John Bright, e a segunda em 2016 por “Mad Max: Estrada da Fúria”). Foi ainda indicada ao Tony por seu trabalho na remontagem da peça “Private Lives”, de Noel Coward, em 2001, e foi também vencedora do BAFTA de Melhor Figurino por “Mad Max”.

Jenny Beavan e John Bright recebem de Lauren Bacall o Oscar de Melhor Figurino em 1987 por "A Room With a View" (Foto: Reprodução)

Jenny Beavan destaca-se por seus conhecimentos em trajes históricos. Seus trabalhos são frutos de pesquisa minuciosa, e a estilista busca sempre acrescentar seu toque original às produções. Sobre a composição dos figurinos do filme “O Discurso do Rei”, Beavan disse ao Seattle Times“Eu queria que os atores parecessem naturais como as pessoas reais. Mas às vezes vestir exatamente o que se vestia no passado não faz isso. É como se eles estivessem usando fantasias”. Jenny revelou que, em “O Discurso do Rei”, muitos atores “usam vintage” – peças autenticamente originais do período histórico em que se situa a narrativa (Inglaterra dos anos 1920-30). Suas inspirações são diversas: “Eu sou uma grande observadora das pessoas”, contou ao London Evening Standard. “Você capta diferentes impressões quando se senta no café da Royal Academy ou na Trafalgar Square. Eu admiro o trabalho de John Bright, Piero Tosi e Alexander McQueen, mas tiro inspirações de todos os lugares.”

Figurinos de Helena Bonham Carter e Colin Firth em "O Discurso do Rei" (2010) - (Fotomontagem: Reprodução)

Jenny vive em Londres com sua filha Caitlin (nascida em 1985), produtora teatral. Aos mais de 60 anos de idade, ela não pensa em parar: “Eu amo esse trabalho. Eu amo cinema. Eu amo as pessoas”, disse.


Confira alguns dos principais trabalhos de Jenny Beavan no cinema: 

Vanessa Redgrave e Madeleine Potter em "The Bostonians" (1984) - (Fotomontagem/Reprodução)

Helena Bonham Carter em "A Room With a View" (1986) - (Fotomontagem/Reprodução)

Hugh Grant em "Maurice" (1987) - (Foto: Reprodução)

Emma Thompson e Vanessa Redgrave em "Howards End" (1992) - (Foto: Reprodução)

Emma Thompson e Anthony Hopkins em "The Remains of the Day" (1993) - (Foto: Reprodução)

Kate Winslet em "Razão e Sensibilidade" (1995) - (Fotomontagem/Reprodução)

Anjelica Huston e Drew Barrymore em "Para Sempre Cinderela" (1998) - (Fotomontagem/Reprodução)

Jodie Foster em "Anna e o Rei" (1999) - (Fotomontagem/Reprodução)

"Gosford Park" (2001) - (Foto: Reprodução)

Rachel McAdams em "Sherlock Holmes" (2009) - (Fotomontagem/Reprodução)

"Mad Max: Estrada da Fúria" (2015) - (Fotomontagem/Reprodução)

Império Retrô

Criado em 2010 por Rafaella Britto, o blog Império Retrô aborda a influência do passado sobre o presente, explorando os diálogos entre moda, arte e sociedade.

Um comentário:

  1. Duas coisas me causam grande admiração com relação a este evento protagonizado por esta brilhante profissional, Rafa! A primeira é que, indiscutivelmente, ela colocou em pauta o "sentir-se bem" sobre a elegância de encomenda, que, penso, embora possam se antagonizar em essência, merecem, ambas posições, no mínimo, respeito. Ou seja, o frisson causado não deve empanar sua maestria como figurinista. Segundo: o talento me emociona e sempre me emocionará. Parabéns para esta mulher espetacular em sua carreira e vida, e também a você, por nos trazer sempre artigos interessantes. Um beijo! Deus continue te iluminando, minha querida!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela sua visita e sinta-se à vontade para opinar. Lembre-se de que:

(1) Todos os comentários são moderados pela editora do Império Retrô;
(2) Críticas e sugestões serão bem-vindas;
(3) Não serão aceitos spams e comentários anônimos de cunho agressivo.